Pela Cruz à Luz

Relíquia do Santo Lenho, venerada na Casa dos Arautos em Ponta Grossa

No ano de 326 Santa Helena, mãe do imperador Constantino, durante sua peregrinação à cidade de Jerusalém, descobriu a verdadeira Cruz do Salvador. Depositou ela devotamente o Santo Madeiro na igreja da Anastásia, ou seja, da Ressurreição, situada no Monte Calvário.

Neste local a relíquia foi venerada por cerca de trezentos anos, até que em 614 os persas, sob o Comando do imperador Cósroes, invadiram a cidade de Jerusalém, destruíram inúmeras igrejas e tomaram as relíquias da Santa Cruz. Catorze anos depois, o imperador bizantino Heráclio venceu os persas e obrigou-os a restituírem a preciosa Cruz.

Procissão com a relíquia do Santo Lenho na Casa dos Arautos

Exultante de alegria, o imperador quis em pessoa levar o Santo Lenho ao seu local primitivo: o Calvário. Adornou-se primorosamente para a ocasião,
revestindo-se garbosamente de suas insígnias reais. Iniciando seu trajeto com a Cruz aos ombros, esta passou a a
ssumir um peso insuportável. Zacarias, o bispo de Jerusalém, vendo a cena fez notar ao imperador que para levar a Cruz como Cristo levou, era necessário imitá-lo na pobreza e humildade. Somente despojando-se de suas vestes e substituindo-as por simples roupas de peregrino, com os pés descalços pôde conduzir o Santo Madeiro ao cume do Gólgota.

Do mesmo modo se nós desejamos verdadeiramente ser chamados cristãos, devemos nos despojar de nossos defeitos imitando nosso Divino Salvador em sua humildade ao aceitar alegre os sofrimentos que lhe foram destinados e somente assim chegaremos à glória dos céus. Apenas quem abraça o sofrimento é digno de alegrias. Só quem segue as veredas da Cruz alcançará a verdadeira Luz, Nosso Senhor Jesus Cristo.

Procissão com a relíquia do Santo Lenho na Casa dos Arautos

Nos antigos tempos a cruz era símbolo de vergonha e humilhação, mas quando ela serviu de trono para o Rei dos reis, ela se tornou um troféu de vitória. A cruz é símbolo do sofrimento, da Paixão de Cristo, do sofrimento que o católico carrega nesta vida e com o qual ele abre as portas do Céu. A cruz é nossa certeza de vitória, a esperança de salvação, pois foi através dela que o Salvador venceu a morte e o pecado.

Símbolo de salvação que perdura pelos séculos

Foi com a intenção de colocar no lugar mais a Nosso Senhor, que os Arautos em Ponta Grossa promoveram dia 14/09, festa da exaltação, uma procissão com a relíquia do Santo Lenho, um pedacinho da verdadeira Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo, conduzida através dos séculos às mãos dos Arautos.

Os Arautos do Evangelho em Ponta Grossa têm a graça de possuir em sua Capela uma relíquia do Santo Lenho, venerada especialmente por todos. Atendendo a pedidos insistentes dos jovens participantes, realizou-se a mencionada procissão. Estavam presentes inúmeras famílias, e os jovens componentes da banda, entre as dezenas do terço executavam músicas em louvor a Nosso Senhor Jesus Cristo. Como não podia deixar de ser, a presença dessa relíquia atraiu enormes bênçãos, sentidas por todos os presentes.

A palavra Exaltar tem sua origem no latim: ex altere, significa tornar-se alto, subir. A exaltação da Santíssima Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo é a festa pela qual a Igreja proclama aos olhos do

mundo a cruz que se levanta por cima de tudo. Quer dizer a Igreja põe na devida altura a Santíssima Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Saibamos pois manter sempre no mais alto lugar de nossa alma a Cruz do Divino Redentor. Imploremos a Nossa Senhora que nos conceda a graça de ter sempre presente em nosso espírito o amor à cruz, para por meio dela chegarmos à Luz Divina que é Deus Senhor Nosso.