Pelo sim de Maria, fomos redimidos

No dia 25 de março toda a Igreja celebra a festa da Anunciação do Anjo São Gabriel a Santíssima Virgem Maria, revelando que ela seria a Mãe de Deus.

Era plano de Deus dar ao mundo um Salvador, ou seja: aos pecadores, uma vítima de propiciação; aos retos, um modelo; a virgem – que permaneceria virgem – um filho; e ao Filho de Deus, uma nova natureza, a natureza humana, passível de sofrimento e morte, não de pecado, de modo a poder satisfazer a justiça de Deus, ultrajado por nossas transgressões.

O Espírito Santo, seu Esposo, não se contentou em gerar n’Ela, virginalmente, Jesus, o Homem-Deus, mas enriqueceu-a com todas as graças possíveis de serem dadas a uma criatura humana. Diz Santo Agostinho: ”Deus reuniu todas as águas e chamou-as mar, reuniu todas as graças e chamou-as Maria”. Esse dito pode ser comprovado pelo modo do Anjo Gabriel iniciar sua mensagem: ”Ave cheia de graça”. Sendo Maria a serva fiel do Senhor, responde com toda solicitude e humildade: ”Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra”.

Neste momento, o mundo, envolto nas trevas do pecado, pelo sim da Virgem, tem sua liberdade às portas. Os santos e profetas já ansiavam por isso a séculos. Além do mais, a natureza divina une-se para sempre à natureza humana. “A alma de Nosso Senhor Jesus Cristo, criada do nada, começa a deleitar-se em Deus e conhece todas as coisas passadas, presentes e futuras. Começa então Deus a ter um adorador que é infinito, e o mundo começa a ter um mediador que é onipotente.”

Ora, na obra desse grande mistério, tão somente Maria é escolhida para cooperar mediante o seu livre assentimento.