Corpus Christi – De 1264 na Itália até 2014 em Ponta Grossa (Vídeo)

No ano de 1263, dirigia-se para Roma um pobre peregrino atormentado por dúvidas contra a fé.

Ia ele buscar uma solução para suas dúvidas a respeito da presença real do Santíssimo Sacramento. Aliás, era sacerdote, o que agravava a situação.

No entanto, no meio do caminho, deteve-se em Bolsena, vilarejo pertencente à diocese de Orvieto.

Lá, antes de prosseguir sua viagem, entrou na igreja de Santa Cristina para celebrar a Santa Missa. Quando sustentava a Hóstia já consagrada sobre o cálice para parti-la – Maravilha! – a sagrada espécie se converteu visivelmente na carne e no Sangue do Divino Redentor, desprendendo-se dela gotas rubras que, caindo sobre os corporais, deixaram-nos marcados.

O sacerdote, dobrando os tecidos tentou esconder aquele sangue… mas foi tudo em vão. Ainda mais estupefato ficou, quando viu que neles se reproduziram vinte e cinco manchas, imprimindo a face do Santíssimo Redentor.

Atônito e quase fora de si, interrompeu a Santa Missa e decidiu levar os corporais e a Sagrada Hóstia para a sacristia. Neste caminho, algumas gotas de sangue caíram em quatro pedras de mármore, que estão marcadas e podem ser veneradas até hoje.

Ora, nesse mesmo ano, o Papa Urbano IV refugiara-se em Orvieto, pois o rei da Sicília, Manfredo, atacava e profanava o patrimônio de São Pedro.

Sumamente comovido, o Padre então, foi a Orvieto e, lançando-se aos pés do Papa, pediu-lhe a absolvição de suas faltas, e relatou-lhe o milagre ocorrido. O Pontífice, admirado do acontecido, ordenou que o Bispo local trouxesse as Sagradas relíquias até Orvieto. Este obedeceu prontamente e, no caminho de volta, formou-se um imenso cortejo que o acompanhou até que, junto à ponte de Riochiaro, Urbano IV veio-lhe ao encontro acompanhado do Sacro Colégio Cardinalício, de eclesiásticos, autoridades civis e uma inumerável multidão de fiéis.

De joelhos em terra e fazendo uma profunda inclinação, o Papa adorou o Santíssimo Sacramento, e tomando-o juntamente com as outras relíquias, conduziu-o em procissão até a cidade. Entre os cânticos do clero e da multidão jubilosa, o depositou no sacrário da catedral.

Esta foi a segunda procissão de Corpus Christi, pois a primeira ocorrera em Daroca, Espanha.

Havia já algum tempo, a Beata Juliana, cisterciense, pedia ao próprio Urbano IV que estabelecesse a festa de Corpus Christi em toda a Igreja Católica. E de fato, o milagre de Bolsena foi providencial e decisivo para a instituição de tal solenidade. Finalmente, pela Bula Transiturus, publicada no ano de 1264 em Orvieto, foi decretada oficialmente a maior solenidade Eucarística da Igreja para a quinta-feira depois de Pentecostes. Para o maior esplendor da cerimônia, o Papa convocou os maiores teólogos da época, entre eles São Tomás de Aquino e São Boaventura. E desta ocasião resultaram belos e ricos cantos Eucarísticos como, por exemplo, o Lauda Sion, de autoria do Doutor Angélico.

Assim foi a origem da festa que até hoje a Igreja celebra, sempre com maior esplendor e perfeição, de acordo com os carismas que a Providência suscita ao longo de cada era histórica.

A cada ano, a cidade de Ponta Grossa mantém fielmente esta tradição de séculos, e vale a pena ressaltar que a procissão de Corpus Christi nesta cidade tem sido das maiores do Brasil.

Na última quinta-feira, 19 de junho, milhares de fieis percorreram as ruas de Ponta Grossa juntamente com Nosso Senhor Sacramentado, conduzido por Dom Sérgio no ostensório. Estiveram presentes também os Arautos do Evangelho, que, em continuidade às graças da procissão, realizaram na sede uma segunda procissão antes da Missa da Tarde.

IZONETE BUENO

Salve Maria! Agradecemos Senhor Jesus Cristo e confiamos e Vós, pois faz novas todas as coisas e nos fortalece, este foi mais um dia abençoado e lindíssimo onde os fiéis fervorosos entoaram, cantaram, louvaram devotamente com muito amor, e rezando unidos agradeceram por tantas bençãos e graças recebidas, Adorando ao Sagrado Coração Imaculado de Jesus e Amando e Venerando Maria Santíssima Mãe escolhida por Deus para nós! DEUS abençoe e conceda saúde e fortaleza ao nosso Bispo Dom Sérgio Arthur Braschi a todos os nossos PADRES e Irmãs e aos nossos queridos Arautos do Evangelho Pe. Paulo Sérgio Martins, que sempre muito iluminado pelo Espirito Santo nos presenteou com mais uma grandiosa Homilia, Jesus está Vivo e Real em nossa vida, ABRA SEU CORAÇÃO E SE ENTREGA POR INTEIRO P/ JESUS E NOSSA SENHORA!