Skip to main content

Quaresma: o que é? – VÍDEO

Na quarta-feira de Cinzas começa um novo período na Liturgia da Igreja: a Quaresma. Mas, por quê?

A Igreja, como boa Mãe que é, procura exercer uma ação ao mesmo tempo santificadora e educadora. São quarenta dias de preparação para dois dos acontecimentos mais importantes na vida do fiel católico: a Paixão e Morte de Jesus e sua gloriosa Ressurreição.

São acontecimentos tão importantes que requerem uma preparação cuidadosa e digna. Essa preparação é a Quaresma. Veja uma explicação no VÍDEO.

Unindo entusiasmos a serviço da Igreja

Realizou-se  na casa dos Arautos do Evangelho em Joinville, o Encontro Regional Sul, com os jovens do Projeto Futuro e Vida e os alunos dos Colégios Arautos. Quase 200 jovens provenientes de Ponta Grossa, Curitiba, Maringá, e Joinville participaram das mais variadas atividades durante os dias do encontro.

Formação catequética, momentos de oração, esportes e participação nas Santas Missas foram parte da programação, visando o aperfeiçoamento do caráter e, sobretudo, do amor a Deus em suas jovens idades.

O PORQUÊ DA ALEGRIA NO ENCONTRO

O Papa Bento XVI assim definiu: “Arautos do Evangelho, jovens cheios de entusiasmo que reconheceram a Cristo como o Filho de Deus, e o levam ao mundo”.

A alegria decorrente desse entusiasmo em anunciar Nosso Senhor Jesus Cristo e sua Mãe,  Maria Santíssima, pôde ser transmitida aos participantes do Encontro. Nestes abençoados dias, os jovens puderam sentir e vivenciar a fonte da verdadeira felicidade: o serviço a Deus. E não poderia ser diferente…

A Oração do dia, presente na Liturgia Diária,  deixava isso bem claro:

“Senhor nosso Deus, fazei que a nossa alegria consista em vos servir de todo o coração, pois só teremos felicidade completa servindo a vós, o criador de todas as coisas”.

Certeza certa

Foi amplamente difundida nas redes sociais — mais propriamente em setores que não se satisfazem com ninharias ou inconveniências — a história do menino que, estando a bordo de um avião sacudido por uma tempestade, não tinha o menor medo.

Perguntado, ele deu a razão: “O piloto é meu pai!” Aliás, a tempos publicamos o fato inteiro [Para acessar  clique aqui ]

Quantos de nós gostaríamos de ter a segurança desse menino? (seja ele real ou fictício). Por que muitas vezes não a temos?

No “mar” dessa vida quantas incertezas… Como gostaríamos de, no nosso “barco”, ter um vigia no alto do mastro, que, vendo a terra ao longe, não participasse da insegurança dos que estão no tombadilho… ou seja, nós.

Jesus ensinando – “Le Beau Dieu” de Amiens

Esquecemos do fato de termos esse vigia, “fundamento da esperança” e “certeza a respeito do que não se vê” (Hb 11, 1). Essa certeza é a única na qual podemos encontrar, neste mundo, a verdadeira paz e segurança.

O demônio e seus sequazes, rejeitando a Deus, tornaram-se carentes de fé, inseguros, incertos e inquietos.

A nós é dado optar entre a segurança que nos vem da fé em Nosso Senhor, e a pseudossegurança ilusória das promessas do “príncipe deste mundo” (Jo 16, 11), vencido sucessivas vezes por Deus, até seu fim certo: terminar como o eterno derrotado.

(Adaptado da revista Arautos do Evangelho, nº 161, maio de 2015, p. 5) Para acessar a revista Arautos do Evangelho do corrente mês clique aqui )

 

Ilustrações:Arautos do Evangelho, [email protected]

 

Angelus ao por do sol

Como muitos sabem, os três mosqueteiros eram quatro… Poucos, porém, conhecem outras obras igualmente atraentes do mesmo autor, Alexandre Dumas. Este literato não teve uma vida caracterizada pela piedade, mas arrebatou imaginações com seus romances de capa e espada. E foi, por sua vez, arrebatado, pela beleza da oração do Angelus ao pôr do sol. ⁽*⁾

Consegue ele pôr em palavras os imponderáveis da cena descrita a seguir.Leia mais

Fátima: “Por fim meu Imaculado Coração triunfará” – VÍDEO

No próximo dia 11 de novembro cumprem-se 100 anos da realização da primeira das profecias de Nossa Senhora em Fátima, em 1918: “A guerra vai acabar”. As demais também se cumpriram e pedimos esperançosos a realização da promessa com que conclui: “Por fim o meu Imaculado Coração Triunfará”.  O VÍDEO a seguir traz um rápido apanhado das várias aparições.

 

 

Benefícios da Missa

Santo Agostinho escreve no livro De civitate Dei que à pessoa que ouve a Missa devotamente:

  1. Nosso Senhor lhe dará, nesse dia, as coisas necessárias.
  2. Suas palavras vãs serão perdoadas.
  3. Naquele dia não perderá nenhum disputa.
  4. Enquanto ouve a Missa, não envelhece nem debilita seu corpo.
  5. Se morre nesse dia, a Missa lhe valerá tanto como se houvesse comungado.
  6. Os passos que dá indo e vindo da Missa, são contados pelos santos anjos e remunerados por Deus nosso Senhor.
  7. Ademais, mais vale uma Missa que se ouve em vida devotamente, que mil celebradas em sua intenção depois da morte.
  8. Aproveita mais para remissão dos pecados e crescimento de graça que outras orações que possa dizer ou fazer.

Leia mais

Serenidade, filha da confiança

Ele dormia. As ondas batiam, o vento soprava. Entre os estalos da barca e as vozes dos pescadores, o barulho era ensurdecedor. Mas Ele, impassível, dormia. Os Apóstolos, ainda não habituados ao olhar da fé, preocupavam-se mais em encontrar soluções humanas que em pedir o auxílio divino. E fracassados no seu intento, em vez de se voltarem esperançosos para um milagre vindo da mão divina, repreendem zangados a quem os podia salvar: “Mestre, não Te importa que pereçamos?” (Mc 4, 38).

Oh, atitude tristemente frequente!… A figura do Mestre deitado numa barca que afunda é clássica. Porque também é clássico que o homem, inveteradamente autossuficiente, busque em si, e não em Deus, a solução para seus problemas. Problemas que são, por sua vez, permitidos por Deus para que o homem reconheça que, sem Ele, nada pode fazer (cf. Jo 15, 5). Por isto Jesus, às vezes, finge cochilar…

O QUE FAZER?

Diante da provação, o homem tem dois caminhos: um sobrenatural, de resignação humilde e de esperança confiante, que junta as mãos, e pede a Deus proteção e auxílio; outro, orgulhoso, que vê na dor, destinada a purificá-lo e uni-lo mais ao Pai, uma punição indevida. Nestes tristes casos, sói então acontecer que o homem mundano, de dentro de sua iniquidade, acuse a Deus de injustiça (cf. Ez 18, 25).

No caos do mundo atual, enquanto alguns acusam a Deus, outros Lhe devotam uma indiferença sistemática e outros ainda se voltam suplicantes para o mundano, o terreno: política, tecnologia, soluções ambientais, ações sociais… Quem hoje se lembra de recorrer filial, ardente e devotamente Àquele que, sereníssimo, parece dormir na barca?

E, entretanto, está Ele constantemente junto a nós, sempre disposto a nos atender, amparar e proteger, desde que recorramos a Ele, com humildade e retidão; acaso ter-se-ia diminuído o poder d’Aquele que curou leprosos, deu avista a cegos, ressuscitou mortos, expulsou demônios?

Ao contrário do que prega o mundo, têm nas mãos o timão da História os que confiam além de toda esperança, com os olhos postos n’Aquele que afirmou: “Coragem, Eu venci o mundo!”(Jo 16, 33). E é a estes gigantes da fé que verdadeiramente pertence o futuro. Aqueles para quem, como dizia Santa Teresa de Jesus, “só Deus basta”.

 

(Adaptação da revista “Arautos do Evangelho”, nº 156, dezembro 2014, p. 5. Para acessar a revista Arautos do Evangelho do corrente mês clique aqui )

 

Ilustrações: Arautos do Evangelho

Condenarão novamente a Jesus? – VÍDEO

Silencioso, doce e amável, Jesus, em sua imagem de Crucificado, ainda hoje é réu de julgamento.

Durante os últimos anos a presença do Crucifixo em locais públicos tem sido objeto de julgamentos, entre outros no Tribunal Europeu de Direitos Humanos. Razão: a presença da imagem de nosso Criador e Redentor incomoda aqueles que veem em Jesus o convite a abandonarem os vícios e voltarem à virtude.Leia mais

Deus supera nossos sonhos – VÍDEO

Deus em sua infinita bondade nos inspira sempre tudo que d’Ele nos aproxime. De nossa parte, desde que sejam coisas de acordo com a vontade divina, para a sua glória, nosso bem e do próximo, podemos desejar grandes coisas, confiantes no amor d’Ele por nós e na sua onipotência.

A conhecida expressão “Sonhe que Deus realiza” — supõe que nossos sonhos preencham essas condições. Qualquer sonho contrário aos desígnios divinos, Deus não pode atender, pois sua infinita santidade o impede de fazer o mal.

A não ser isso, podemos — e devemos — ter grandes desejos. O conto oriental ilustrado no vídeo a seguir … bem, é melhor assistir o vídeo

Ilustrações: Arautos do Evangelho, Silmara Farias

Vestígios de Deus

O caro leitor já se deu conta que entre as “Sete maravilhas naturais do mundo”, duas estão no Brasil? São: a Bacia Amazônica e as Cataratas do Iguaçu. E entre as sete maravilhas feitas por mãos humanas está o Cristo Redentor no Corcovado.Leia mais