Por acaso…

Era uma pintura bonita, muito expressiva. Perguntei ao companheiro de viagem quem era o autor do quadro. Ele também não sabia.

— Parece ter aqui no canto…

— “Própolis”… não pode ser nome de ninguém. Deve ser um… Como chama?…

— …Pseudônimo.

Continue reading Por acaso…